6.7.06

Naked man intrudes into

blablabla

4.11.05

Foto Repórter

Já havia comentado com meu irmão em outros tempos sobre a vanguarda que o Estadão está tomando em relação à convergência de mídias e integração entre as "velhas mídias" e internet. Os comentários eram, na verdade, muito mais impressões que qualquer outra coisa. Contudo, dado o que tenho visto nos últimos dias aqui no trabalho, acho que preciso deixar de lado as impressões e usar mais os fatos.

O Estadão inaugurou na semana passada um produto/serviço chamado Foto Repórter, em que qualquer um, qualquer um mesmo, poder ser o fotojornalista do jornal, com sua câmera digital ou seu celular com câmera. A mecânica é simples: se vc testemunhou e registrou alguma cena, mande para o jornal. Se for utilizada pela redação, vc ainda ganha um troco. Muito legal.

Mas mais legal que isso é que existe um fato novo, sob o ponto de vista jornalístico da coisa: a pauta da redação começa a sofrer influências do cotidiano, deixa de ser fria, ganha dinamismo e força com, potencialmente, todas as pessoas podendo ser repórteres por um dia (ou mais).

Eu já me cadastrei e vou, na medida do possível, colaborar sempre. Quem disse que a "grande mídia" não pode ser colaborativa?!?

22.5.05

Haja...

Há dias que tento dar um gás em várias idéias virtuais que insistem em manter-se no mundo da virtualidade. Não consigo materializar nada do que penso e francamente não entendo muito a dificuldade nisso tudo.
As idéias estão lá na caxola, fervilhando, mas não saem. E o medo é que mais hora, menos hora, vou navegar e dar de cara exatamente com ela, a idéia, realizada pelas mãos de outros ou outras, num flagrante de infidelidade que vou ter de compreender em silêncio.
Tudo muito difícil. Às vezes sinto-me incompreendido pela máquina, que não opera na mesma velocidade que eu penso. Incompreensão motora que não acompanha a velocidade das idéias quando surgem e me deixam na mão. Não que eu seja assim um gênio de muitas idéias geniais a todo o instante. Pelo contrário. E por isso mesmo, quando constanto que não consigo tornar realidade aquilo que pensei que poderia ser a "grande sacada", a frustração é enorme.
Enfim, enfim... Vamo que vamo. Um desabafo pessoal toma proporções inesperadas a partir desse momento que o deixo ao sabor das ondas binárias. Quem sabe uma hora com mais calma e um pouco de luz, o ideal vira real. Nem que seja pelo menos no mundo virtual.

9.5.05

Danos cerebrais

Você começou numa sala de bate-papo. Depois te mostraram o ICQ. E junto disso, o MSN Messenger. Cada dia que passava, você ficava mais e mais envolvido por estas coisas. E aí começou a chegar um e-mail, depois dois, três, vários por dia. De amigos e desconhecidos, não importava. O que era mais legal era ver a caixa postal bombando. E hoje, veja só... Tem e-mails com capacidade de armazenamento superior a 1GB.
Mas olhe só para você agora... Amarrar o cadarço do tênis já não é mais tão trivial. E ainda tem gente que acha isso bonito.

Historinha de 2ª Feira

Padoca logo de manhã. Vou pagar o café com pão de queijo. Dou 10 reais. A moça do caixa tem dificuldade de contar o maço de notas de 1 real. Moça do caixa pergunta para a balconista:
- Onde será que eu encontro pra comprar aquelas almofadinhas pra molhar o dedo?
Balconista responde:
- Na loja de 1 real tem por 50 centavos.
E eu saio da padoca com a sensação de que a semana vai ser boa.

18.4.05

Papabiles

Tirando a poeira e tossindo um pouco por causa do cheiro de mofo que andou impregnado por estas páginas, a pensata do dia é sobre o conclave que decidirá qual será o novo Papa.
Sinceramente, chega a ser hilária a especulação toda que a imprensa vem fazendo sobre o conclave. A impressão nítida é que cada um quer fazer a sua aposta, citando 115 papáveis para depois da eleição, todos poderem dizer "eu não disse que ia ser ele??".
Levantar questões e saídas para um novo papa, que perfil se deseja, quais devem ser seus principais desafios e por aí em diante, nem pensar. São todas questões muito complexas para serem levadas a um jornal diário. Vamos brincar de adivinhações que é mais divertido mesmo...

14.3.05

Segundas-feiras

Segundas-feiras já não são dias assim tão fáceis de serem assimilados. Menos pela forma (toda segunda-feira tem 24 horas) e mais pelo conteúdo (é o melhor dia da semana, pois está a 7 dias da próxima segunda-feira).
Mas ficam dias ainda mais complicados a partir do momento que se lê que os gringos decidiram investir no Brasil como porto seguro do mercado financeiro... Em outras palavras, a semana promete!

3.3.05

Clausfobia

Na verdade, se fosse cumprir com o mandamento de fazer aquilo que deve ser feito antes de fazer coisas que não devem ser feitas, necessariamente, neste instante, agora não estaria aqui escrevendo este post. Os dias no trabalho estão mesmo bastante corridos e a situação está periclitante.
Mas isso não é motivo suficeinte para eu deixar de falar aqui hoje de um grande camarada, o Claus. Companheiro de república, a saudosa RepTil (que tinha ainda o Béder e o Gelo em sua formação original), o Lemão é o tipo de gente que causa aquela sensação ambígua quando avisa que está chegando: todos querem revê-lo, mas temem os efeitos potenciais de sua aparição refletindo no fígado após alguns dias de baladas incansáveis promovidas pelo figura.
Mas enfim... Ontem eu o reencontrei antes dele voltar pra vida boa na Itália. E esse post é mais pra comentar um pouco sobre essa pessoa, amigo velho de guerra e, se tudo der certo, futuro sócio no empreendimento do Bar que ainda teremos, o "Médico" (sugestão de nome apenas, decorrente de circuntâncias passadas que podem ser abordadas aqui em outra hora, ou não...).
No mais, algumas fotos abaixo tiradas nas horas que ele não está trabalhando tirando fotos...


25.2.05

404 Not Found

Alguns podem não ser encontrados. Mas este, além de não poder exibido, testemunha sentimentos só compreensíveis aos seus pares.
Bonito... :)

Filosofia iluminada

Semana corrida por aqui. Muito trabalho e pouca diversão não fazem só Jack de bobão.

21.2.05

Momento distração

Bush disse: "Devemos sempre lembrar a Rússia de que nossa aliança defende a imprensa livre, uma oposição forte, a partilha do poder e o império da lei. Os EUA devem pôr a reforma democrática no centro do diálogo com a Rússia"

E aí eu pergunto: porque o "seu" Bush não usa esse seu conselho pra Rússia como uma auto-crítica?

UPDATE:
Segue abaixo letra de Tom Zé, que achei apropriada para este post:
Companheiro Bush

Se você já sabe
Quem vendeu
Aquela bomba pro Iraque,
Desembuche:
Eu desconfio que foi o Bush.

Foi o Bush,
Foi o Bush,
Foi o Bush.

Onde haverá um recurso
Para dar um bom repuxo
No companheiro Bush?
Quem arranja um alicate
Que acerte aquela fase
Ou corrija aquele fuso?

Talvez um parafuso
Que tá faltando nele
Melhore aquele abuso.
Um chip que desligue
Aquele terremoto,
Aquela coqueluche.

Blogs vs. Grande Mídia

Tá lá no caderno Link, do Estadão, uma reportagem sobre a atual polarização entre os Blogs e a "Grande Mídia" nos EUA, citando a queda de grandes nomes do jornalismo causadas por blogueiros.
Não sei se posso ir muito longe nesse assunto, mesmo porque tendo a assumir o lado dos blogueiros como sendo o do "bem". Mas de qualquer maneira, acho que vale o questionamento.
Os principais contras aos blogs são a falta de "fiscalização" sobre seus conteúdos. Não se sabe até hoje como mensurar a credibilidade de um blog, a não ser pela afinidade que se pode ter entre leitor e autor. Assim, por mais que um blog seja "legal", pode ser que este não seja necessariamente verdadeiro, ainda que "verdade" também seja algo amplamente discutível.
Os prós, eu considero exatamente a independência que os blogueiros têm. Distante das redações e editorias de grandes jornais, televisões e rádios, esses e-jornalistas podem publicar notícias e fatos que dificilmente sairiam em grandes jornais, trazendo à tona assuntos cotidianos muitas vezes sublimados pela agenda da grande imprensa. A diversidade de pontos de difusão de notícias torna o mundo mais plural e propenso a discussão de idéias e conceitos. Tudo muito bonito, mas voltando aos contras e citando Salam Pax, blogueiros também têm sua própria agenda.
No final das contas, fico pensando: em quem acreditar, afinal? A fonte para este post foi uma matéria publicada no Estadão, um jornal da grande mídia, pertencente ao estabilishment. Meu canal para questionar o assunto é este blog. E depois que terminar de escrever isto, provavelmente vou navegar por outros sites, incluindo blogs ou não. E vou me informar em várias fontes. nenhuma é melhor que a outra. Mas umas podem ser mais de acordo com o que eu penso ou não... ;-)

19.2.05

Top #1


Aquele que disser que ela não é a menina mais linda do mundo vai se ver comigo... ;-) Posted by Hello

18.2.05

O pop morreu

Juro que quase rolou uma lágrima depois dessa notícia...

17.2.05

Conselho às moças

Copy/paste do mail que rodou o trabalho aqui hj:

CONSELHOS ÀS MOÇAS
Frases retiradas de revistas femininas da década de 50 e 60:

- Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas. (Jornal das Moças, 1957)
- Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto. (Revista Claudia, 1962)
- A desordem em um banheiro desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa. (Jornal das Moças, 1965)
- A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos. (Jornal das Moças, 1959)
- Se o seu marido fuma, não arrume briga pelo simples fato de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa. (Jornal das Moças,1957)
- A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido às experiências pré-nupciais, mostrando que ela é perfeita e única, exatamente como ele a idealizara. (Revista Claudia,1962)
- Mesmo que um homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu. (Revista Querida,1954)
- É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido. (Jornal das Moças, 1957)
- O lugar da mulher é o lar.O trabalho fora de casa masculiniza. (Revista Querida, 1955)